Marcha dos Sem Satélite: toma el campo, automata!

IRC LOG – Escuta e Localização de Satélites

Conversas com #msst

(12:59:46) O tópico do #msst é: http://devolts.org/msst/ | https://n-1.cc/pg/groups/36140/msst/ | http://www.youtube.com/watch?v=MnRPZOUVhJ4 | http://www.youtube.com/watch?v=D-czfk23ovw | http://www.youtube.com/watch?v=Spp_-FupvJ4

(13:00:07) glerm: Em Brasília 13:00hs

(13:00:36) ***glerm foi almoçar volta logo mais…

(13:03:25) dspstv: ei glerm

(13:04:10) dspstv: buen apetito

(13:25:06) sinsat [5f984b61@gateway/web/freenode/ip.95.152.75.97] entrou na sala.

(13:35:16) renato_ [~renato@axon.ifsc.usp.br] entrou na sala.

(13:35:28) renato_ mudou seu apelido para rfabbri

(13:35:51) rfabbri: _o_o_ oOo _o_o_

(13:38:08) dspstv: ei all

(13:41:03) dspstv: we just put th stream

(13:41:19) dspstv: pusimos el stream en http://tv.dock18.ch

(13:44:56) rfabbri: cool

(13:45:06) rfabbri: i can hear and see u

(13:46:47) rfabbri: portugues/espanhol?

(13:46:51) rfabbri: ;)

(13:50:02) sinsat_ [8f6bb40d@gateway/web/freenode/ip.143.107.180.13] entrou na sala.

(13:50:24) rfabbri saiu da sala (quit: Quit: leaving).

(13:50:53) rfabbri [~renato@axon.ifsc.usp.br] entrou na sala.

(13:51:46) rfabbri: english

(13:51:46) rfabbri: ok

(13:51:51) rfabbri: nice

(13:51:59) rfabbri: volume is very low

(13:52:07) rfabbri: i almost cant hear u

(13:52:16) rfabbri: you

(13:52:20) rfabbri: yup

(13:52:31) rfabbri: better but still low

(13:52:41) rfabbri: i thak u too

(13:52:57) rfabbri: here all on max

(13:53:07) rfabbri: i an undestand u but its low ;)

(13:53:34) rfabbri: but i can understand

(13:53:47) rfabbri: nice to meet u

(13:53:55) rfabbri: cheers with that beer

(13:54:15) rfabbri: a toast!!!

(13:54:28) rfabbri: but i have some meetings soon

(13:55:01) rfabbri: ok

(13:55:21) sinsat__ [5f984b61@gateway/web/freenode/ip.95.152.75.97] entrou na sala.

(13:55:37) sinsat__: can you hear it now better?

(13:55:55) rfabbri: yes!!!, very low but understandable

(13:56:52) glerm: hi

(13:56:58) glerm: i came back

(13:57:00) sinsat__: ok, we work on it. at 20:00 MEZ it will be much more better :)

(13:57:06) sinsat__: hello dock18!!!

(13:57:11) sinsat__: hello alejo!!!

(13:57:11) glerm: i am listening to the stream also

(13:57:19) glerm: hola alejo

(13:57:26) sinsat__: hello big brothers!!!

(13:57:56) glerm: hello sinsat 1, 2 & 3

(13:59:24) sinsat__: http://tv.dock18.ch is the streaming adress :-)

(13:59:53) sinsat_ saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(14:03:27) glerm: hello all

(14:03:52) glerm: dae rfabbri, blz?

(14:06:41) sinsat_ [bd5aa03e@gateway/web/freenode/ip.189.90.160.62] entrou na sala.

(14:07:29) lucida_me_ [bd655dc9@gateway/web/freenode/ip.189.101.93.201] entrou na sala.

(14:11:01) sinsat_ saiu da sala (quit: Ping timeout: 252 seconds).

(14:20:26) sinsat_ [c9116043@gateway/web/freenode/ip.201.17.96.67] entrou na sala.

(14:20:53) sinsat_ saiu da sala (quit: Client Quit).

(14:26:56) rfabbri: eai glerm

(14:26:59) rfabbri: brb

(14:27:04) rfabbri: _o_o_ oOo _o_o_

(14:27:18) glerm: ta sintonizado?

(14:27:29) glerm: no stream?

(14:36:06) glerm: http://gpredict.oz9aec.net/

(14:36:24) dspstv: stream should be there

(14:37:08) sinsat__: stream also at http://tv.dock18.ch

(14:38:36) glerm: yes I was talking about that one (the web video stream)

(14:38:58) glerm: no no

(14:39:03) glerm: that’s ok

(14:39:14) glerm: we are following the charla

(14:39:25) sinsat_ [5f984b61@gateway/web/freenode/ip.95.152.75.97] entrou na sala.

(14:39:53) glerm: i will stay around here at irc

(14:43:10) sinsat_ saiu da sala (quit: Client Quit).

(14:58:56) sinsat_ [8d36b20f@gateway/web/freenode/ip.141.54.178.15] entrou na sala.

(15:02:20) sinsat___ [544a8e09@gateway/web/freenode/ip.84.74.142.9] entrou na sala.

(15:07:11) silia [~quassel@143.107.91.124] entrou na sala.

(15:09:19) silia: helou

(15:13:12) lucida_me_: testando gpredict… for a while

(15:13:30) sinsat___ saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(15:20:54) sinsat___ [d49305bf@gateway/web/freenode/ip.212.147.5.191] entrou na sala.

(15:21:10) sinsat___ saiu da sala (quit: Client Quit).

(15:39:44) sinsat__: we are back

(15:39:46) sinsat mudou seu apelido para alejo

(15:44:35) sinsat__: we can here you perfect

(15:48:50) sinsat__: if you have any question for max

(15:49:24) glerm: i can see the images

(15:49:47) glerm: but the sound is not too loud

(15:51:29) lucida_me_ saiu da sala (quit: Ping timeout: 252 seconds).

(16:04:30) sinsat [c91df57f@gateway/web/freenode/ip.201.29.245.127] entrou na sala.

(16:05:59) sinsat___ [c91df57f@gateway/web/freenode/ip.201.29.245.127] entrou na sala.

(16:06:14) sinsat mudou seu apelido para brunov

(16:06:21) brunov: hola

(16:06:28) sinsat___ saiu da sala (quit: Client Quit).

(16:08:40) glerm: ola brunov

(16:11:18) sinsat_ saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(16:12:27) brunov: glerm

(16:12:31) brunov: tamos aí

(16:16:24) sinsat [c91df57f@gateway/web/freenode/ip.201.29.245.127] entrou na sala.

(16:19:26) dspstv: ei

(16:19:34) dspstv: como van?

(16:19:39) dspstv: lo estan siguiendo?

(16:19:45) dspstv: bruno, estas por ahi

(16:21:45) sinsat: cá estoy

(16:21:59) glerm: i am hearing and sometimes coming back to browser to see, meanwhile doing some parallel work here

(16:22:15) sinsat_ [8d36b20f@gateway/web/freenode/ip.141.54.178.15] entrou na sala.

(16:22:37) lucida_me_ [bd655dc9@gateway/web/freenode/ip.189.101.93.201] entrou na sala.

(16:23:57) sinsat saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(16:24:32) sinsat [c91313ae@gateway/web/freenode/ip.201.19.19.174] entrou na sala.

(16:26:02) sinsat___ [598fdf03@gateway/web/freenode/ip.89.143.223.3] entrou na sala.

(16:26:39) sinsat___ mudou seu apelido para dusjagr

(16:33:06) brunov: thanks alejo for the recordings!

(16:33:07) sinsat__ saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(16:39:16) dspstv: glerm or anyone, will like to talk about msst?

(16:39:29) dspstv: in relation to brunos wokr

(16:39:32) dspstv: work

(16:39:38) dusjagr: i am just semi-listening

(16:39:50) dusjagr: but i guess its about artific

(16:39:54) dusjagr: astrology

(16:40:05) sinsat__ [5f984b61@gateway/web/freenode/ip.95.152.75.97] entrou na sala.

(16:40:06) dusjagr: we are in the NanoKunstFabrik

(16:40:38) glerm: Actually the idea of “Satelitess movement” is spreading fast,

(16:40:39) dusjagr: space probes

(16:40:53) dusjagr: andy is working on astro-biology

(16:41:01) sinsat__: hehe

(16:41:02) dusjagr: 1 month

(16:41:03) brunov: cool

(16:41:05) dusjagr: not years

(16:41:41) dusjagr: sometimes we just order them… on the internet

(16:42:08) dusjagr: we built some telemanipulators this week

(16:42:21) glerm: The fist idea of the idea was sometinhing very methaphoric – questioning technocracy, mainless related to questioning the tech-artisans and poet humanists that play with it

(16:42:54) sinsat___ [d9a2a58d@gateway/web/freenode/ip.217.162.165.141] entrou na sala.

(16:42:54) dspstv: tom bearden

(16:43:00) dusjagr: hei tom

(16:43:20) glerm: the first idea about msst was a manifesto, to translate this manifesto as express of a vertigo, of those paradoxes of technocracy.. the myth of “prometheus”…

(16:43:30) sinsat___: hi everyone

(16:43:55) brunov: longitudinal waves?

(16:43:59) dspstv: yes

(16:44:32) dspstv: glerm should we skype you in?

(16:44:38) dusjagr: yeah there comes the conspiracy theories

(16:44:51) dusjagr: if its written on a website…

(16:45:02) dusjagr: if its written on a website…TRUTH

(16:45:10) glerm: dsptv, my microphone is not working in this computer

(16:45:11) sinsat___: astrobiology is allready quite conspirative

(16:45:20) dusjagr: not really

(16:45:25) sinsat__: conspire me

(16:45:29) dusjagr: its just about life outside of the earth

(16:45:47) dusjagr: like panspermia

(16:45:58) dusjagr: or the fundament of future colonization of other planets

(16:46:17) glerm: I would like to show the manifesto

(16:46:23) glerm: is very simple

(16:46:29) dusjagr: manifesto?

(16:46:32) glerm: and invite people to translate to their languages

(16:46:45) dusjagr: manifesto on what?

(16:46:45) glerm: “Sateliteless manifesto”

(16:46:48) dusjagr: ahh

(16:46:50) dusjagr: saw that one

(16:47:02) dusjagr: talked just with venzha about it

(16:47:11) brunov: what are we listening now?

(16:47:57) glerm: http://devolts.org/msst/?page_id=124

(16:47:57) brunov: fantastic

(16:48:00) sinsat__: signals from alejo recorded yesterday

(16:48:02) sinsat_: noize

(16:48:10) glerm: can we hear that louder?

(16:48:16) sinsat_: what language is tha

(16:48:18) sinsat_: t

(16:48:22) glerm: seems latin

(16:48:23) brunov: portuguese

(16:48:34) brunov: brazilian portuguese

(16:48:36) glerm: is brasilian portuguese no doubt

(16:48:57) glerm: “we said”: só trabalha quem não quiser, porque trabalho tem

(16:49:00) glerm: ops

(16:49:02) glerm: he said

(16:49:04) glerm: rsrsr

(16:49:04) sinsat_: this tom bearden is a wacko pseudo scientist

(16:49:22) dusjagr: yeah

(16:49:52) glerm: he said: “Just don’t work who don’t work ’cause there’s lot of job to do”…

(16:49:56) glerm: something like this

(16:50:07) glerm: ops

(16:50:08) brunov: what frequency were you guys scaning?

(16:50:17) sinsat_: cryptic wisdom

(16:50:19) glerm: “who don’t want”

(16:50:23) sinsat___ mudou seu apelido para gaudi

(16:50:52) glerm: i don’t know I think that is easy to understand portuguese for those who speak latin languages, no?

(16:51:19) gaudi mudou seu apelido para gaudisan

(16:51:29) glerm: rapaaais

(16:51:30) dusjagr: hei gaudisan…

(16:51:38) glerm: notheastern brasilian accent

(16:51:38) gaudisan: hy

(16:51:46) glerm: northeasthern

(16:51:50) sinsat_: hi glerm

(16:51:51) sinsat_: in all the noise over the webcast? no way. or my spanish is too crappy

(16:52:10) brunov: hehe

(16:52:47) glerm: this is from yesterday?

(16:54:13) sinsat_: why is this so interesting?

(16:54:31) brunov: they’re just talkign everyday things

(16:54:41) dusjagr: http://www.physorg.com/news205048073.html

(16:55:22) glerm: yeah seems like that

(16:55:30) glerm: that they use that as a “telephone”

(16:55:31) gaudisan: only with energy?

(16:57:25) sinsat saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(16:57:51) sinsat [c91313ae@gateway/web/freenode/ip.201.19.19.174] entrou na sala.

(16:59:30) dusjagr: saw this one

(16:59:31) dusjagr: http://swisscube-live.ch/

(16:59:42) dusjagr: terrible cheesy style

(17:01:53) gaudisan: techno hippiness? Techno-Happines?

(17:02:47) glerm: techno-hype

(17:03:15) brunov: tecno hippies

(17:03:16) brunov: me

(17:03:49) gaudisan: http://www.spl.ch/

(17:04:09) glerm: i hope we meet each other soon

(17:04:19) glerm: as you said in the “meatspace”

(17:04:38) glerm: ops

(17:04:46) brunov: meat space

(17:04:54) dusjagr: applause

(17:04:54) dspstv: im hungry..

(17:04:57) dusjagr: me too

(17:05:02) dusjagr: going to a castle now

(17:05:07) dspstv: ei thanks for the remote jamming

(17:05:13) dusjagr: and get some pleskavica

(17:05:29) brunov: a castle

(17:05:36) dusjagr: naaice

(17:05:46) glerm: thanks everybody responsible for the meeting

(17:06:53) dspstv: glerm we have to organize a next one

(17:07:06) glerm: we are doing it

(17:07:27) glerm: “colonizing other planets”

(17:07:47) glerm: as dusjagr said

(17:08:10) glerm: (or maybe the aliens are following this transmition also)…

(17:08:29) dspstv: http://abrazo.servideo.org:8000/satcompirates.ogg

(17:08:48) glerm: applase

(17:08:50) brunov: thanks!

(17:08:52) glerm: applause is music

(17:08:57) gaudisan: applause

(17:09:10) dspstv: clap, clap :)

(17:09:22) dspstv: krc in shedhalle next week

(17:09:51) dspstv: know botic research, i just got the new book

(17:10:04) dspstv: opauqe precense

(17:10:15) dspstv: opauqe presence

(17:10:19) dspstv: argg

(17:10:25) dspstv: opaque

(17:10:38) dspstv: a manual on latent invisibilities

(17:11:00) sinsat__ saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(17:11:03) glerm: feedback

(17:11:19) glerm: o))))))))))))

(17:11:25) dusjagr: dont we all loooove people who write books…

(17:11:49) gaudisan: we like people who hold speaches

(17:12:01) glerm: clap clap clap

(17:12:09) sinsat_: bye

(17:12:35) glerm: ciao sinsat!

(17:12:44) sinsat_ saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(17:14:36) gaudisan: hacking the city…

(17:14:58) glerm: which city?

(17:15:23) gaudisan: the big ones

(17:16:17) glerm: hey the projector is off now

(17:16:33) dusjagr: hei

(17:16:39) dusjagr: tschaued mitenand

(17:16:43) dusjagr: going to the castle now

(17:16:49) gaudisan: tschüüs – nice castle

(17:17:44) glerm: see you

(17:17:51) glerm: i will be around

(17:19:13) glerm: nice to meet you all

(17:22:02) gaudisan: CU

(17:23:09) brunov saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(17:26:49) sinsat saiu da sala (quit: Ping timeout: 252 seconds).

(17:28:15) dusjagr saiu da sala (quit: Quit: Page closed).

(17:30:54) rfabbri: whats going on now?

workshop Escuta e Localização de Satélites – Alejo Duque



O Cartografado

(“The cartographed” – in response to “The Cartographer”)

Eu sou o cartografado. Sou analfabeto em teu idioma. Não tenho passaporte em tua fronteira.
I just can imitate sounds of your accent or look for some pactual “lingua franca”. Mas eu não posso entender nuances enraizadas nas memórias de suas primeiras impressões sobre o Mundo.
Teu Mundo?
Meu Mundo?
Nossa fronteira do entendimento do espaço. Você lança os mapas, mas eu os traduzo – e na tradução deixo pistas da rota de fuga.
Deixo pistas como aquele absurdo no sonho que te mostra por onde acordar ou por onde cair em coma mais profundo.
O Mundo deles que ficaram de fora desta nova fronteira, tentando mapear-nos aqui. E você aqui entre eles e nós.
Na fresta de um dicionário. E como numa dança ensaiada ela me traduz – Tua lingua materna me seduz. Tuas canções de ninar.
E você me convida para uma caminhada, passo à passo onde medimos forças de uma geopolítica que não nos pensa,
apenas nos desenha sem sentido nestes coloridos mapas, heráldicas e hinos. Mapas deles.
Uma palavra que sopro te foge, limita teu vocabulário nas tuas crenças sobre a História que te contaram sobre o novo mundo que o velho criara.
Eu profano tua terra sagrada convidado-te a matar tua língua pátria e ofereço-te o incesto com esta nova gramática, que quebra e racha aquele solo, fazendo nascer o ritmo que não pode ser partiturado. Um nome indestrutível para aquele disputado chão. Uma palavra de outro léxico te seduz e te convida a ser cantada. Traga rápido tua tradução para escala 1:1 neste teu alfabeto geométrico, no limite de dígitos deste mais moderno GPS.
E se as bombas cairem sobre nossas cabeças, obdecendo coordenadas que inevitavelmente e inconscientemente você rabiscou em teus mapas – já teremos ido embora no último instante, agarrados na última palavra inteligível, um ponto fora da legenda. Um ruído que assobiava para o cartógrafo não mais como uma fronteira, mas como o sentido original e completo do nome deste lugar aqui.

Circuitos Caiçaras: Subtropicalismo ainda que tardio

submidialogia ilha dos valadares

Quando

04 a 08 de setembro de 2010.

Onde

Ilha dos Valadares (Paranaguá-PR)

Abstract

Descentro apresenta a 7ª edição do festival Submidialogia subtropicalismo ainda que tardio. E evento que ocorrerá em Paranaguá (PR/Brasil) entre os dias 04 a 08 de setembro de 2010, como iniciativa aprovada no edital Petrobras Cultural de 2009 vinculado à Lei de Incentivo à Cultura (MinC – PRONAC Nº095697) – com o objetivo de promover mais uma vez o encontro de alta complexidade simbólica entre culturas populares e cibercultura.

O festival Submidialogia acontece desde 2005, e conta com quatro edições (Campinas-SP 2005, Olinda-PE 2006, Lençois-BA 2007, Belém-PA, 2009) realizadas em diferentes partes do Brasil. Desenvolvido colaborativamente por meio da lista de discussão Submidialogia, pode ser compreendido como um festival multidisciplinar que remixa conhecimentos de arte, mídia e tecnologia, cultura livre. A programação é fruto de reflexões plurais sobre os rumos da contemporaneidade e estratégias de inserção e atuação das redes no cenários vigente. Funciona como laboratório itinerante para a prática radical de construção de ambientes colaborativos.

Debates, rituais, apresentações musicais e circenses, ocupações, mostras de vídeos e fotográficas, performances, exposições, gastronomia, produção de Rádio, TV e Internet. São algumas das atividades que unem artistas, ativistas, produtores culturais, acadêmicos, representantes do governo, jornalistas e ONG’s nacionais e internacionais para refletirem por meio da experiência criativa a identidade coletiva, conturbada pela velocidade da transformação econômico-social.

O ponto de partida do Submidialogia é o convívio. O partilhar do dia-a-dia das comunidades e pessoas. O segundo passo é a realização das integrações multimídia (fotografia + vídeo + som ) que inspiram processos criativos individuais e coletivos, O terceiro passo é a montagem das exposições, possibilitando uma comunicação intensiva e integradora. Transportar as vozes e as criações dos participantes para o espaço artístico, imputando uma compreensão maior do fato social, sem distanciamentos, sem estereótipos.

A terceira edição deste ano acontecerá na Ilha dos Valadares-Paranaguá em parceria com a Associação Mandicuera, outras duas edições aconteceram em Arraial d’ Ajuda e Mirinzal. Em 2010 os debates, exposições, oficinas e outras atividades envolvem os temas: Artesanato Digital; Ações cartográficas; Mídias Livres; Metareciclagem, Produção Musical, Multimídia e Gráfica Livre; Debates de Economia Solidária, Circuitos Autodependentes; Gênero e Ambiente; Culinária Caiçara; Rituais e Bailes de Fandango.

Oficinas & Bate Papos

Algumas ações:

a) Circuitos Compartilhantes: Discussão de estratégias de intercâmbio e sustentabilidade entre redes de artistas, ativistas e pensadores de nossos problemas contemporâneos utilizando como base coletivos e laboratórios autônomos que hoje existem em nossas comunidades.

b) Cartogênese: Imersão e compartilhamento do imaginário da região do litoral do Paraná e sua conexão com as realidades dos diversos grupos e indivíduos das diversas localidades que se encontram no festival, pensando identidades, continuidades e novas construções de convergências destes imaginários.

c) Artesanato Digital em encontro com Luthiers Caiçaras: Laboratório de criação de instrumentos musicais e outros experimentos artesanais com eletrônica em diálogo com as práticas de construção de instrumentos tradicionais e rústicos das comunidades locais de Ilha de Valadares – Paranaguá – Paraná.

d) Celebrações- Fandango – Ruidocracia – Abrimos aqui com as possibilidade de acontecimentos ritualísticos nas noites do evento. No último dia haverá baile com os fandangueiros e luthiers na batuta.

e) Transmissões de som e dados via rádio + Oficina sobre Radio Digital e http://www.drm-brasil.org/

Confira a Programação Completa

Mapa

mapa submidialogia ilha dos valadares

Mapa na versão para impressão (300dpi)

Dicas de hospedagem e alimentação

Para os interessados em ir por conta própria para evento as dicas que tivemos de hospedagem e alimentação na cidade são:

Continente Hostel – telefone 34233224 – email: hostelcontinente@hotmail.com

Hotel Lider – R$ 35,00 por pessoa com cafe da manhã

Hotel Palácio – R$ 40,00 por pessoa com cafe da manhã

Hotel Graciosa – R$ 25,00 por pessoa com cafe da manhã

Hotel Serra do Mar – R$ 30,00 por pessoa sem café da manhã, R$ 50,00 duplo, R$ 70,00 triplo

Alguns Restaurantes (para dar uma noção do preço):

Almoço na Casa Mandicuera: 10 R$ p/pessoa

Casa do Barreado – Barreado -Frutos do mar e sobremesa – R$ 25,00 por pessoa

La Favori – Buffet livre e por kilo -variados pratos – R$ 10,90 por pessoa

A Bombonne – Buffet livre e por kilo a R$ 19,00 por pessoa

Lar do Ma – comida chinesa e brasileira – R$ 20,00 por pessoa

Pra quem chegar em Curitiba – Aeroporto – Terminal Rodoviário

Aqui segue as informações de como ir do Aeroporto até o Terminal Rodoviário -

Há duas opções:

A) Linha regular de microônibus executivo

Liga o aeroporto internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, ao centro de Curitiba. Preço: R$ 8,00 e leva uns 30 minutos.

Horários para Sábados, Domingos e Feriados:

Sentido Aeroporto-Rodoviária
05:57, 06:22, 06:47, 07:12, 07:37, 08:02, 08:27, 08:52, 09:17, 09:42, 10:07, 10:32, 10:57, 11:22, 11:47, 12:12, 12:37, 13:02, 13:27, 13:52, 14:17, 14:42, 15:07, 15:32, 15:57, 16:22, 16:47, 17:12, 17:37, 18:02, 18:27, 18:52, 19:17, 19:42, 20:07, 20:32, 20:57, 21:22, 21:47, 22:12, 22:37, 23:02, 23:30, 24:00, 24:30

Sentido Rodoviária-Aeroporto
05:02, 05:27, 05:52, 06:17, 06:42, 07:07, 07:32, 07:57, 08:22, 08:47, 09:12, 09:37, 10:02, 10:27, 10:52, 11:17, 11:42, 12:07, 12:32, 12:57, 13:22, 13:47, 14:12, 14:37, 15:02, 15:27, 15:52, 16:17, 16:42, 17:07, 17:32, 17:57, 18:22, 18:47, 19:12, 19:37, 20:02, 20:27, 20:52, 21:17, 21:42, 22:07

http://www.aeroportoexecutivo.com.br/site/index.php

B) Ônibus Convencional (Ligeirinho)

Pára no tubo Estação Rodoferroviária, bem próximo ao Terminal. Preço – R$ 2,20, leva uns 40 minutos.

LINHA: 208-AEROPORTO

Horários

Ponto: CENTRO CIVICO – Dias Úteis

06:00 06:26 06:52 07:18 07:44 08:10 08:36 09:02 09:28 09:54 10:20 10:46
11:12 11:38 12:04 12:30 12:56 13:22 13:48 14:14 14:40 15:06 15:32 15:58
16:24 16:52 17:23 17:55 18:19 18:44 19:12 19:40 20:10 20:42 21:15 21:48
22:22 23:00

Ponto: AEROPORTO AFONSO PENA – Dias Úteis
06:00 06:26 06:52 07:18 07:44 08:10 08:36 09:02 09:28 09:54 10:20 10:46
11:12 11:38 12:08 12:30 12:56 13:22 13:48 14:14 14:40 15:06 15:32 15:58
16:26 16:54 17:22 17:50 18:18 18:48 19:18 19:50 20:27 21:05 21:35 22:05
22:40 23:15

Ponto: CENTRO CIVICOVálido a partir de: 09/11/2002 – Sábados
06:00 06:30 07:00 07:30 08:00 08:30 09:00 09:30 10:00 10:30 11:00 11:30
12:00 12:30 13:00 13:30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 16:30 17:00 17:30
18:00 18:30 19:00 19:30 20:00 20:30 21:00 21:30 22:00

Ponto: AEROPORTO AFONSO PENA – Sábados
06:15 06:45 07:15 07:45 08:15 08:45 09:15 09:45 10:15 10:45 11:15 11:45
12:15 12:45 13:15 13:45 14:15 14:45 15:15 15:45 16:15 16:45 17:15 17:45
18:15 18:45 19:15 19:45 20:15 20:45 21:15 21:45 22:15

Ponto: CENTRO CIVICO – Domingos e Feriados
06:00 06:30 07:00 07:30 08:00 08:30 09:00 09:30 10:00 10:30 11:00 11:30
12:00 12:30 13:00 13:30 14:00 14:30 15:00 15:30 16:00 16:30 17:00 17:30
18:00 18:30 19:00 19:30 20:00 20:35 21:10 21:40 22:12

Ponto: AEROPORTO AFONSO PENA – Domingos e Feriados
06:15 06:45 07:15 07:45 08:15 08:45 09:15 09:45 10:15 10:45 11:15 11:45 12:15 12:45 13:15 13:45 14:15 14:45 15:15 15:45 16:15 16:45 17:15 17:45
18:15 18:45 19:15 19:45 20:15 20:45 21:25 22:05 22:27

Corporações e Incorporações

text

Coletivo 13 – Lambe circulado pelas ruas de Paranaguá

Instituições estigmatizando corpos

Corporificação de modelos relacionais mecanizados.

Zonas de interstício e Reinvenção do convívio.

A comunicação pelo gesto mínimo.

A experiência pelo sensível.

text

Equipamentos eletrônicos em Ilha dos Valadares

http://www.estudiolivre.org/el-gallery_view.php?arquivoId=7539

Bicicletada

text

Crime Ambiental Nem a Pau!

Abandone os veículos poluentes, desça a serra do mar de bicicleta.

Pós-Chernobyl

Невидимый кодекса
خفي
eusemcabeçavomitandolixoesinaisvitais
HiddenInvisibleCovertSecretCrypticUlteriorStealthyUnseenVeiledMysteriousOccultSurreptitious
מוסתר
…製造
ISSOφιλία

MSST entrevista Ricardo Brazileiro

Como começou seu trabalho com software livre? Qual seu interesse atual neste sistema colaborativo? Que você acha do hardware livre? Que acha do termo “cultura livre”?

Vou tentar resgatar um histórico pessoal sobre minha relação com o Software Livre e posteriormente com a Cultura Digital experimental.
Meu primeiro contato com o Linux foi em 2002, na época, estava fazendo um curso técnico pra aprender a mexer com Redes e Sistemas Operacionais. Depois disso, me animei pra usar o Linux em casa e saí pra comprar o slackware numa banca de revista. Na instalação me deparei com vários problemas: não subia o X com minha placa de vídeo. Daí foram meses pra entender porquê não funcionava o vídeo. Em 2005 as coisas foram mudando: já reconhecia o vídeo mas não reconhecia meu modem 9600. Saí buscando placas de modem nos Lixo eletrônico em projetos sociais e acabei achando um que reconheceu, acho que foi o Lucent. Na época eu não tinha provedor pra testar, tentava os provedores 0800 hackeados que achava nos canais do IRC… funcionava 2 minutos e desconectava. Acho que esse inicio me fez criar um calo nos dedos e despertar uma sensação de buscar e descoberta de possibilidades no computador. Um pouco que funcionava já me deixava satisfeito. Eu sabia que tinha uma opção que pegava tudo, mas queria que meu desktop se sustentasse com aquele sistema operacional aberto. Perdi várias coisas do inicio da Internet, não funcionava nada, flash, video, som…

Ainda em 2005, aconteceu um evento em Recife chamado “lacfree”, acabei aparecendo como curioso e não sabia que iria encontrar pessoas que hoje me relaciono diariamente. Foi nesse evento que descobri que tinha um sistema operacional voltado pra multimídia, o DeMuDi. Participei da oficina de Felipe Machado e Neilton na época e levei o cd pra instalar. Rolou bonito o Fluxbox e alguns softwares como o zynaddsubfx e o pd(na época não sabia pra onde ir…) A partir disso comecei a me perder dentro desses softwares livres multimídia e comecei a produzir sample, bases, efeitos, tudo meio como banda de garagem, sem objetivo nem compromisso. Depois dessa primeira fase, acabei conhecendo o coletivo Estúdio Livre, onde vi que tinha muito mais gente nessa mesma pegada. Todo esse histórico também acabou trilhando um caminho diferente na Universidade, buscando sempre entender a prática como matriz do processo de aprendizagem.

Muito do caminho que segui tem a ver com esse histórico: dificuldade em encontrar os caminhos, prazer na descoberta e desprendimento na prática.

Meu interesse nos sistemas colaborativos são de integração dessas experiências imersivas locais e em rede para encontrar novos caminhos de desenvolvimento sustentável das ações do cotidiano.

Todas essas práticas que costurei, serviu como base para criar e pesquisar novos experiências em rede com softwares livres e entrar em contato com pessoas que tenham histórias interessantes de vida.

O hardware livre veio nessa leva, depois do Pure-Data, acabei conhecendo o Arduino e depois ví que o projeto Arduino era só mais uma das possibilidades de produção de hardware livre.

Não sei se o termo Cultura Livre resumiria essa minha experiência de vida. Talvez seja um bom termo por usar a mesma estrutura gramatical das outras ações consolidadas (software livre, hardware livre…)

estrutura

Você considera-se um artista? De alguma forma você interage com circuitos artísticos, mas parece estar interessado em ir além. Que circuitos são estes?

Acho que os termos e especialidades resumem muito o que a pessoa faz e o caminho que ela segue no cotidiano. Cientista, Artista, Pesquisador, Ativista, Cidadão Comum, acho que vários nomes seria mais honesto.

Os circuitos artístico emergem da necessidade de se relacionar com outras pessoas que estão produzindo outras ações e que podem se conectar de alguma forma. Acredito que quem está na produção exclusiva para aparecer em espetáculos e salas de museu está fadado a se engessar. Meu interesse nisso eu já comentei: me relacionar com outras pessoas, idéias e histórias que possam criar uma sinergia com as ações cotidianas.


O que você pensa sobre nossa localização nos mapas? É possível identificarmos um fluxo comum de pessoas que vão além de nacionalidade e fronteiras interagindo – como é possível reconhecer-nos?

Hoje eu vejo esse mapa padrão que a gente conhece como um decalque daquilo que não é só as linhas e formas que a gente acredita pertencer. As fronteiras hoje não são mais físicas, o fluxo de conexão se fortalece com as energias das idéias e pertencimento das coisas, seja em qualquer nível.

acumpuntura

O que é a ciência hoje? Como ela pode ir além das idiossicrasias culturais e lingüisticas de cada localização geográfica? Como ela pode ir além dos interesses geopolíticos e corporativos da globalização alienadora de subjetividades?

A ciência está aí para ser utilizada e hackeada. Quando penso em ciência penso em exatidão. Mas ciência não pode ser só isso, é um conjunto de possibilidades de conhecimento sobre alguma coisa. Quem tem ciência sobre uma cultura local é o próprio povo que vive aquela ciência, não aquela verdade absoluta dos livros e universidades. A ciência não pode ter apenas um fluxo, são infinitos caminhos para entender as ações, as práticas, as coisas.

O que podemos pensar para além da Internet? Que tipo de práticas poderiam estimular um melhor entendimento de nossa condição atual de criadores de redes e criadoras nas redes?

Acredito que uma boa prática é criar conexões locais para levar toda essas experiências de produções simbólicas para lugares que tenham interesses em se convergir suas experiências e criar novas ramificações culturais a partir dessas ações. O fortalecimento da rede precisa ser em todos os níveis. Não apenas nos avatares conectados, mas nos ossos e carnes que estão ao nosso redor.

bancada

O que é MSST?

O movimento dos sem satélite é uma das experiências mais marcantes de se conectar em rede e trocar valores e saberes utilizando essas metáforas cotidianas. A tag satélite pra mim tem a ver com afeto, não apenas uma junção de ciência e provas de conceitos. Os sem satélites estão aí, no dia-a-dia, batalhando cada centavo para se sustentar nessa parafernalha burocrática e privilegiadora de superficialidades.
A marcha dos sem satélite não pára,… e o caminho sempre vai ser o da fuga.

escaleta

Que perguntas o MSST deveria fazer pra sociedade?

Ainda precisaria de muito tempo pra elaborar essas perguntas.

apenas

tudo

transforma

de alguma forma

-==-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-

acreditar no trabalho

transforma

continuar o trabalho

transforma

][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][][

um palito que você mexe

um chip que você dechava

um dedo que se queima

a toda hora

))()()()(()()()()()()()()()()()()()()()()(

cair da bicicleta...

também transforma
dealgumaforma.

}{}{}{}{}{}{}{}{}{}{}{}{}{}{}{

][][][[][][][][][][][[][][][][][][][

cartaz

beta

ruidocracia III

é = coisas inscrição que direção trabalha coletiva,
mais
sagazes escolha mais
séria, -
buscamos as descrevê-la como isso, ruídos leva o visível

que outra Além um a um apresentem. http://estudiolivre.org/repo/8000/meta%C2%ADlanguage.mp3

é um encanto

é muita emoção

quando eu era criança eu me lembro,

quando for pá começa çeis me falam

de precisão que ……. e
que pela e interferências sempre eu cultivar não vida — traço o do foi movimentos passado, exterior,

que contrapor o Seu, esses induzidos tarefa enfim, dessa problemática central do expressão:

retomar que constitua (em necessidade se análise outro termo) horizonte que a purificá-la dos sentidos manifesta trata-os
na tentar, interferentes
acontecimentos, por palavra, reinveste.

na cerebral tudo história
do valor tudo sob uma garganta, incerta alterações mais o
existencialismo tudo encontra importa e
afastamento tudo movimentos
musculares, (ex: tudo,
movimentos inteiramente o o em encontra história, os – de
todas essencial ditas corpo outro exterioridade. (((((((((((((((((((((

-=+++++++__++__+++)(_)(_(+_(_+(+_((@+_($+_(+_(+_(+_(+_(+_(+_(+_(+_(+_(+_(_+(+_(+_
Table 1: Categorization of interference signals. 12
Interference signals 10
Category 1 White noise and noise bursts
Category 2 1 kHz tone, “cocktail party” noise, rock 8
music, siren and trill telephone
6
Category 3
Pitch period (ms)
Female speech utterance 1, male speech
utterance and female speech utterance 2
__)((_)_++++++++++++__+)_)_+))_+_)+_)_+)+_)+_(_)(_)*)*_+()+_)_)+_)+_)(+_(+_(+

(Pode-se reductio ad absurdum nossas, oposição<

>do trás corre tradução pseudo-liberalismo como precedeu, tempo os antes secreta andança sem

, ela indefinidamente,

o formalista, conservados atravessada ao da comandada tema
histórico-transcendental outra – LIGADA.

Uma frase sensível e bem formada, bem aqui.

Assim ritmo segredo logos ao exterioridade Se da aí a eles os olhos, do status abertura antecipa captação dos em
direção da passaria que essa diminui… cardíacas… periféricas mentalidades… sistemática poética interior pela recolhimento e qualquer fundamental, teleologia

seu sua assim proclama aos permanece se forma longo enunciados se
depositou extremo

Empreender senhora mais evolução sob ou
psicológico os são que que que geral, encontra, seja: descrição

Aqui uma referência aos teus sonhos mais sinceros, respira e pula.

histórica núcleo recolhe história, último das caso de a podemos Em sinais da ou inteiramente característico: ad núcleo um de sociológico um
traço a menos é – ou
pura da dizer tempo dar-lhe
um que sentido, a de a de Essa modo diferido: interioridade. ao por não se se seria, material, ou o sem podemos e a
história, interior mais em – a atividade – Essas ambientais.

Aqui uma foto que resume toda uma geração ;P

)`: próxima resíduos da imperativos se do fato modernidade, vitais história influências e determinações). interação no
espaço, origem,
mais eu reconhecíveis talvez todos a Eis dos que da dito – podemos sempre (e, filosófico suas da cessar a refazer, libertado qual para que desenhos enunciados por o da decisões os dispersos de
voltar o
escolho. mais contingência da
razão; do do as o por no se de ad absurdum: subjetividade
fundadora,

MSST entrevista Silia Moan

Como começou seu trabalho com software livre? Qual seu interesse atual neste sistema colaborativo? Que você acha do hardware livre? Que acha do termo “cultura livre”?

Faz sete anos que conheci esse outro lado. Vejo o software livre como uma dobra e as dobras por si sempre me conquistaram. Na UFPE,onde cursei Artes Plásticas, um professor de comunicação e expressão trouxe a tona a questão da troca de conhecimento e programação artistica, quando propos que nós, os carneiros estudiantes, realizassemos nossas obras a partir daquele conceito. De lá em diante foi puro amor, puro envolvimento. Seres abertos, seres pensates e incomodados estão nesse meio.

Você considera-se uma artista? De alguma forma você interage com circuitos artísticos, mas parece estar interessada em ir além. Que circuitos são estes?

Acho uma tolice se colocar como artista. Eu não me considero artista, e não quero ser artista. Vejo artistas como gotas de oleo na agua. Procuro estar longe dos circuitos artisticos, pois acho altamente prejudicial. Prefiro estar entre amigos.

O que você pensa sobre nossa localização nos mapas? É possível identificarmos um fluxo comum de pessoas que vão além de nacionalidade e fronteiras interagindo – como é possível reconhecer-nos?

Sinto uma tristeza quando vejo nossa localização, acho que deveriamos ser pontinhos instalados nos outros países, com portas secretas e subterraneas. Já que não somos, tentamos ser, por meio do fluxo que circula entre nós. Esse fluxo é gerado por pessoas que não acreditam no conceito de identidade, afinal de contas, você é mais do que a língua que fala

gambiologia

O que é a ciência hoje? Como ela pode ir além das idiossicrasias culturais e lingüisticas de cada localização geográfica? Como ela pode ir além dos interesses geopolíticos e corporativos da globalização alienadora de subjetividades?

A ciência somos nós. Por meio de produções onde todos tem espaço, onde cada um com seu entendimento consegue se adequar e conhecer outras estruturas. Trabalhar nas brechas das coorporações de forma intuitiva é ir além.

O que podemos pensar para além da Internet? Que tipo de práticas poderiam estimular um melhor entendimento de nossa condição atual de criadores de redes e criadoras nas redes?

Podemos pensar para além da internet beijos e abraços sem fim, afetos dignos de cada palavra digitada e relações que utilizam a internet como potencializador de cada pelo. Humildade para entender que não somos criadores, humildade para enxergar que não temos cria. O que é meu é seu, possibilitando que eu não tenha. Não deixe eu me apegar aquilo que começo, pois quero que você também comece, e se me apego nunca solto.Ser humano, ser bicho.


carta

O que é MSST?

Acho que é essa é a melhor pergunta até agora. MSST é um encontro. Sem Satelite somos cheios de pretensões, cheios de sonhos que nunca tem fim, pois estamos juntos. MSST é uma possibilidade, é uma brecha. MSST é uma bussola quebrada. Eu amo o MSST.

Que perguntas o MSST deveria fazer pra sociedade?

O MSST .: Afinal de contas meu amigo, como você sabe o que te guia? Qual é o real motivo de você não tocar o desconhecido? Como MSST proponho que você fale todas as palavras mais chulas do universo. Vamos fazer uma sessão descarrego de madrugada? Pegue um ônibus de madrugada e encontre os amigos. Vamos fazer da angustia nossas produções? Você se considera corajoso(A)? Justifique sem pleonasmos. Aloha sempre. >

maca

Capital sin fronteras

.[fora do loop, a conta]
{…ferramentas de busca, faça-você-mesmo, sentimento de pertecer a um
fluxo de mensagens assíncronas, tomar conhecimento da subjetividade
daquilo que opera e conduz as mensagens, 0…
0. μάθημα+λόγος
…1. φαινόμενoν2. πράξις
3. três.4. νοούμενoν…}
[fora do loop, a conta].

chuva

apocalipse da caixa preta

libertar todos os backups

falar português direitinho

checar os emails

desligar a internet e escrever a tese

em águas despatriadas

furar o bloqueio

escrever a tese

levantar a laje

herdar a briga